Vícios bons

Porque nem todos os vícios são maus... O Gonçalo Câmara explica-lhe!
Por: Gonçalo Câmara
partilhar

Nem todos os vícios são maus. Viajar para mim é um vício. Uma vez conheci um norueguês que me disse que se recusaria a morrer conhecendo apenas o seu país. E aquilo fez todo o sentido na altura. Não quero ficar apenas por aqui. Não quero conhecer apenas Portugal. Sempre que posso, poupo para ir passear. Tenho um fascínio grande pela Ásia. Não me pergunte porquê. Aquele povo tem qualquer coisa de especial. 

Há quem viaje para fugir às responsabilidades, há quem viaje para curar feridas emocionais, há quem viaje só porque sim. No aeroporto, cada pessoa tem o seu propósito. O meu? Essencialmente escrever. Gosto muito de viajar para escrever. Escrever pessoas, sítios, comportamentos. E pessoas diferentes, em mundos diferentes. Já estive em sítios estranhos como o Turcomenistão e o Uzbequistão. Já conheci o Sri Lanka e a Patagónia. Tenho um fascínio pelo deserto e pelas montanhas.

 

 

 

Para além das paisagens e de enchermos os olhos com coisas bonitas, o mais importante são as pessoas. Sítios bonitos há-os por toda a parte, mas é na gente que reconhecemos a sua bondade. E isso é maravilhoso. Temos tanto a aprender com os outros...

 

Gonçalo Câmara

Recomendamos