São Miguel: Quero voltar para a ilha!

Tendo eu uma costela micaelense, creio que posso falar com conhecimento de causa de toda a Ilha de S.Miguel.
Por: Gonçalo Câmara
partilhar

Tendo eu uma costela micaelense, creio que posso falar com conhecimento de causa de toda a Ilha de S.Miguel. Há 29 anos que lá vou, pelo menos uma vez por ano, para passar férias com a minha família. Há pouco para dizer sobre os Açores e muito para contemplar. Deixarei as outras ilhas para outras oportunidades porque hoje queria falar-lhe sobre a Ilha de S.Miguel, a maior do arquipélago. 


Costumam dizer que no decorrer de um dia, ou seja, em vinte e quatro horas, passam pela ilha as quatro estações do ano. É verdade. O clima açoriano é sempre instável e nunca poderemos ter a certeza daquilo que irá acontecer. No Verão, é bom ter os calções de banho, mas contar com alguma roupa impermeável porque depois de um mergulho numa bela praia onde o Sol nos torra os pensamentos, poderá cair uma carga de água que aparece sem convite. Há quem esteja habituado. Quem não está, vive uma experiência diferente. 


Desde que as companhias aéreas low-cost começaram a voar para S.Miguel, a ilha tem recebido milhares de turistas ao longo do ano. O turismo aumentou exponencialmente e as infra-estruturas tiveram que ser revistas para conseguir dar conta do recado. Os locais gostam de receber turistas, no entanto, pedem consciência para que não estraguem a Natureza, o bem mais precioso de todo o arquipélago. 


A S. Miguel não faltam adjectivos nem sinónimos de beleza natural. Diria que cinco dias podem ser suficientes para conhecer os principais pontos da ilha. Entre as lagoas, a das Furnas, do Fogo e das Sete Cidades são as mais visitadas com toda a sua vista de cortar a respiração. As pisicinas naturais dos Mosteiros ou da Ferraria também acabam por satisfazer as vontades de quem lá passa. Principalmente as da Ferraria, com agradável e aquecida água do mar. 


Miradouros não faltam. São vários ao longo de toda a costa para que se possam tirar fotografias e guardá-las para mais tarde recordar. É obrigatório provar o Chá da Gorreana, ou até mesmo visitar as plantações. Por falar em obrigatoriedade em provar certos tipos de coisas, permita-me uma pequena lista: 

- Lapas; 
- Cracas;
- Cozido das Furnas;
- Maçaroca de milho;
- Bife da Associação Agrícola ou do Alcides; 
- Petiscos no Saca-Rolhas ou marisco no Cais 20. 

Se é bom garfo, o avião é capaz de voltar um pouco mais pesado, mas uns quilos a mais nunca fizeram mal a ninguém. Que digam as vacas felizes polvilhadas por toda aquela magnífica ilha. 

No que à acomodação diz respeito, há de tudo e para todos os gostos. Se gosta de ficar mais no centro e ir explorando à sua medida e no seu tempo, pode sempre optar por ficar nos hotéis de Ponta Delgada. Se gosta de caminhar e de paz de espírito, o Furnas Lake Villas na Lagoa das Furnas pode ser o seu novo espaço de eleição. Ou até uma noite no Hotel do Parque Terra Nostra. Se por lá ficar, experimente os filetes de abrótea do restaurante do hotel. Agradece-me depois, não se preocupe com isso agora. Gosta de bem-estar e de uma boa massagem? Também nas Furnas tem o Boutique Hotel, um hotel termal. 


Dê um mergulho na Praia de Água D'alto, na Ribeira Quente ou na Ribeira Grande, na Praia dos Areais. A areia escura e a água a 24 graus são razões mais do que suficientes para querer voltar para ilha, sempre que houver uma oportunidade de escape. 

S. Miguel tem muito para oferecer, desde a beleza natural à gastronomia, juntando a simpatia da sua gente. O sotaque? Não se preocupe. Há uma linguagem universal quando nos queremos mostrar gratos pela Natureza. 

Atreva-se e boa viagem! 

Veja a Galeria de Imagens em baixo!

Recomendamos