De Norte a Sul: onde comer o melhor peixe

Sim, vamos falar de peixe e de onde se come bom peixe em Portugal.
Por: Gonçalo Câmara
partilhar

No outro dia cravei o meu pai para almoçar. Cravar não tem que ter um significado pejorativo, até porque paguei eu. O "cravanço" foi com a consciência que agora é a nossa vez de levarmos os nossos pais a bons sítios. Já fizeram tanto por nós, porque não retribuir. Para retribuir, é preciso conhecer. E eu conheço bem o meu pai. Aliás, se me conheço, conheço-o. É dele que vêm as minhas manias esquisitas e o meu gosto por peixe. Sim, vamos falar de peixe e de onde se come bom peixe em Portugal.


Como disse, levei o meu pai a almoçar ao Neptuno na Praia das Maçãs. Restaurante que ainda tem presente a textura da areia, mesmo antes de saber servir. Está colado à praia e oferece uma variedade extraordinária de peixe e marisco. Almoçámos lá fora, com vista para o mar, numa tarde chuvosa de abril. Começámos com as afamadas amêijoas à bulhão pato, seguiram-se os consagrados percebes habilidosamente cozinhados. Depois, um Cantaril magnífico grelhado e a dividir pelos dois. Como já tive oportunidade de escrever sobre isso, o português tem uma arte especial na hora de sentar à mesa para comer e conviver. Naquela tarde, enquanto se ia dando cabo do pobre coitado do cantaril, ninguém falou. Nenhum som foi proferido, à exceção do som dos talheres. É bom sinal, é sinal que tudo o que ali está é divinal. Acompanhámos o peixe com um branco Pouca-Roupa. Escorregou tão bem que ninguém se magoou. 

Portugal tem bom peixe. É indiscutível. E depois deste fantástico almoço, comecei a tentar lembrar-me de todos os restaurantes onde já fui feliz a comer bom peixe. O que é bom é para ser partilhado por isso vamos a isso: 

Se optarmos pela Costa Oeste, vale sempre a pena dar um salto à Tasca do Joel e ao Mirandum em Peniche. Direto do mar para o prato. Já um pouco fora de Peniche mas ainda pela zona, poderá encontrar o Profresco. Um espaço de meias: meio-peixaria, meio- restaurante. Em Ferrel, nada como o Cantinho Saloio. 

Do que conheço no Norte, mais concretamente em Matosinhos, posso recomendar-lhe todos aqueles restaurantes que acompanham a sortuda Rua dos Heróis de França: O Tito I foi um sucesso que fizeram o II; A Tasquinha do Polónia também faz sentido. Principalmente numa tarde bonita em Matosinhos. Toda essa rua tem uma oferta bastante saborosa no que a peixe diz respeito. Uma rua de boa grelha. 

Desçamos. Vamos até à Costa Alentejana. Meu deus, por onde começar? Bom, vou ter que fazer aqui uma filtragem. Sei que há muito mais do que aquilo que irei escrever, mas vou focar-me no que conheço: 

O Bom Petisco perto da Praia de S. Torpes é um restaurante que nos acolhe como família. Como a família que lá trabalha. Há mais de quinze anos que lá vou e nunca entrei no restaurante sem antes escolher o peixe que está exposto no anexo do lado. "O pior é mesmo escolher mas eu ajudo", diz simpaticamente o responsável. Depois de escolhido, é sentar e esperar. 

Em Porto Côvo gosto bastante do Zé Inácio, estrategicamente situado entre as ruelas da vila, para além da simpatia e rapidez com que os clientes têm que ser tratados, sabores não faltam. 

A Tasca do Celso e o Fateixa em Vila Nova de Milfontes são outros espaços a conhecer com alguma urgência. Digo com urgência porque quanto mais tarde, maior é o atraso numa grande experiência. E sabe tão bem quanto eu que ninguém gosta de atrasos. 

Sei que no Algarve há muita e boa oferta, no entanto, gostava de lhe falar do restaurante da Praia da Maria Luísa. Para além do atendimento extraordinário, ir salgado até à mesa, petiscar e comer uma maravilhoso pargo é algo que transcende o próprio Verão. Fica a sugestão. 

Por cá, tudo o que vem à rede, é do melhor. Ou deverei dizer: tudo o que vai à grelha? Enfim, não deixe para depois o que pode saborear hoje. 

Recomendamos