As séries de televisão da minha vida

Sou uma verdadeira "papa-séries", mas há pelo menos 5 que me marcaram a longo prazo. Posso partilhá-las consigo?
Por: Ana Moreira
partilhar

Na sala já me chamam de “papa séries” e confesso que lido bem com esse rótulo. A verdade não merece castigo e, por essa razão, até escrevo este texto a confessar as minhas paixões televisivas.

Escolher 5 foi uma tarefa muito difícil, estava constantemente a ouvir-me no silêncio “ah… e aquela?”; “Ah não, tenho que incluir aquela que amei”; “Eh pá deixar de fora aquela que me tirou horas de sono é que nem pensar”; e por aí fora.

Vencidos os obstáculos psicológicos de uma seleção criteriosa aqui estão os meus vencedores.

Começamos pela série Friends. Muito difícil resistir ao humor do Chandler, a inocência da Phoebe ou ao “Ohhh my God” da Janice, uma série que merece ser vista mais que uma vez.

 

 

Ainda em Nova Iorque… e o Seinfeld? As personagens são todas boas e especiais para além dos 4 óbvios, aponto o holofote para o nazi soup, os pais do George e o Newman. Hoje em dia qualquer genérico com muito baixo digo sempre… hum… genérico um bocado Seinfeld não?

 

 

Curisosamente, agora que vejo isso, continuamos por Nova Iorque, agora no feminino. Se seria previsível que falasse desta série… paciência, é mesmo uma das minhas favoritas e o muito que fez para a desmistificação de muita coisa. A Carrie sim, é especial, mas a Samantha… o Sexo e a Cidade sem Kim Cattrall não seria mesmo a mesma coisa!

 

 

Falamos agora de Stranger Things: anos 80, e agora já não é em Nova Iorque. Fui investigar, porque já não me lembrava, esta série com Winona Ryder passa-se em Hawkins, no estado do Indiana, e sim, é ficcional. A verdade é que junta tudo o que nos anos 80 nos fez sorrir. Tem alma de Goonies, de X-Files, de E.T. e por aí fora. E por falar em Goonies, na segunda temporada até conta com Sean Austin, o eterno Mikey Walsh. Bom, se ainda não viu… é para ver.

 

 

Finamente o Lost, este a decorrer numa ilha paradisíaca algures entre Los Angeles e Sydney, a verdade é que é confusa, muitas vezes estranha, e que para muitos o final é só tonto, mas a verdade é que foi a série que me fez declinar muitos jantares à terça-feira porque era o dia de mais um episódio de Lost. Ah, e quem nunca usou a sequência dos números no totoloto que atire a primeira pedra!

 

 

 

 

Recomendamos