Resistência ao vivo no Atlântico, 25 anos

Lembra-se deste concerto? Está agora registado em duplo CD. E pode ter um exemplar em sua casa!

Nesta longa aventura com que a Resistência se aproxima agora das 3 décadas, o marco dos primeiros 25 anos foi importante. Celebrou-se com amigos, os que pisaram o palco e os que encheram as plateias, com cantigas que todos sabem de cor. Na Meo Arena, que já teve nome de grande mar, num dia 13 de Outubro, Alexandre Frazão (bateria), Fernando Cunha (voz e guitarra 12 cordas)  Fernando Judíce (baixo), José Salgueiro (percussões), Mário Delgado (guitarra), Miguel Ângelo (voz), Pedro Jóia (guitarra clássica), Olavo Bilac (voz) e Tim (voz e guitarra) viajaram pela sua história convocando as grandes vozes de Raquel Tavares e António Zambujo, dois amigos de longa data que quiseram dizer “presente” nesse momento único.

António Zambujo é o cantor que partiu do seu Alentejo para uma fulgurante conquista do mundo, da Europa ao Brasil, com a mesma língua que a Resistência transformou em bandeira. “É uma grande voz, um grande nome desta cultura moderna da canção portuguesa e para nós será uma honra tê-lo em palco," explicou na altura a Resistência em comunicado. Sobre Raquel Tavares, as palavras da Resistência também vincaram a sua relação com esta língua que aqui se canta: "A Raquel já cruzou o mundo com a nossa língua, já foi aplaudida nalguns dos melhores palcos internacionais, sabe bem o que significa cantar em português, como a canção certa pode levar o espírito de um povo muito longe. Faz sentido tê-la ao nosso lado, ao lado do António Zambujo que também aceitou o nosso convite".

E a Resistência, nessa festa de 25 anos, regressou a canções que já são autênticos hinos: “Não Sou o Único”, “Nasce Selvagem”, “A Noite” ou “Amanhã é Sempre Longe Demais”, “Fado”, “Sete Naves”, “Timor” ou “Circo de Feras”, mas também “Se Te Amo”, “Traz Outro Amigo Também”, “Só no Mar” ou “A Gente Vai Continuar”, criações de nomes incontornáveis da nossa música como os Xutos & Pontapés, Delfins, Sitiados, Rádio Macau, GNR ou Heróis do Mar e Jorge Palma ou o eterno Zeca Afonso. 

Raquel Tavares deu voz a “Liberdade”, que Pedro Ayres escreveu, e “Que Amor Não Me Engana”, clássico do especial cancioneiro de José Afonso, e António Zambujo cantou o “Perfeito Vazio” a que os Xutos deram originalmente a sua força, e “Zorro”, o tema com palavras de João Monge e música da grande dupla João Gil e Luís Represas. Quem as aplaudiu em direto sentiu os naturais arrepios que estes momentos geram e que este duplo CD agora preserva.

Conheça o alinhamento deste duplo CD:

 

A Resistência coleccionou grandes marcos e memórias muito ricas nesta jornada que já vai para lá dos 25 anos e correu o nosso país de lés a lés, com o embalo dos generosos aplausos de um público que sempre esteve presente e que, na verdade, fez de todas as apresentações memoráveis celebrações. 

 

 

CD duplo "Resistência ao vivo no Atlântico, 25 anos"

O passatempo termina a 31 de dezembro de 2020 às 23:55

Preencha os seguintes dados, por favor:

Por favor, faça a conta abaixo.