Lana Del Rey anuncia novo álbum e responde a quem a acusa de romancear abusos nas relações

A cantora anunciou um novo álbum para este ano. Del Rey aproveitou o anúncio para responder a quem a acusa de romancear comportamentos abusivos em relacionamentos.
21 mai 2020
Redação
Música

 

A cantora norte-americana usou hoje as redes sociais para duas coisas. A primeira foi para fazer o anúncio da data de lançamento do sucessor de "Norman Fucking Rockwell", disco que editou em 2019. Lana Del Rey vai lançar um novo álbum a 5 de setembro. A segunda foi para dar uma longa resposta a críticas que têm sido feitas às letras que assina.

A cantora e compositora publicou um longo texto para defender-se das acusações de que as letras que escreve atribuem um papel "submisso" e "passivo" às mulheres na dinâmica dos relacionamentos

"Agora que Doja Cat, Ariana, Camila, Cardi B, Kehlani e Nicki Minaj e Beyoncé conseguiram o primeiro lugar com músicas sobre ser sexy, não usar roupas, ter relações sexuais, enganar, etc - posso cantar sobre sentir-me bonita por estar apaixonada, mesmo que a relação não seja perfeita, ou sobre dançar por dinheiro - aquilo que eu quiser - sem que seja crucificada ou sem que digam que estou a romancear comportamentos abusivos?", começou por escrever. 

"Estou farta de compositoras e cantores alternativos que dizem que estou a glamorizar comportamentos abusivos quando, na realidade, sou apenas uma pessoa glamourosa que canta sobre a realidade, a que todos vemos, de relações emocionalmente abusivas que são predominantes no mundo inteiro. Com todos os tópicos que finalmente podem ser explorados pelas mulheres, só quero dizer que, nos últimos dez anos, acho patético que a minha exploração lírica, que pontualmente detalha os meus papéis submissos e passivos em relações, faça com que as pessoas digam que estou a fazer com que as mulheres retrocedam centenas de anos", escreveu.

"Quero deixar claro, não sou uma feminista - mas tem de existir um lugar no feminismo para mulheres que se parecem comigo e que atuam como eu atuo. O tipo de mulher que diz "não", mas que os homens ouvem "sim". O tipo de mulher que é impiedosamente criticada por ser autêntica, delicada. O tipo de mulher que vê as suas histórias e voz a serem abafadas por mulheres mais fortes ou por homens que odeiam mulheres. Tenho sido honesta e otimista sobre as relações desafiantes que tenho tido. É o que acontece com muitas mulheres. Infelizmente, essa foi a minha experiência na altura em que os discos foram feitos. Foram dez longos anos de críticas da treta até recentemente. Aprendi muito com isso, mas também acho que abri caminho para outras mulheres, para que parassem de pôr uma cara alegre e que pudessem dizer o que querem nas suas músicas - ao contrário da minha experiência. Se expressasse uma nota de tristeza nos meus primeiros dois discos, era considerada uma histérica dos anos vinte".

Lana Del Rey termina o texto com o anúncio do lançamento do novo álbum.

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

A post shared by Lana Del Rey (@lanadelrey) on