A m80 em Direto

07h às 11h
Redação
15 junho 2021, 07:00
Partilhar

Canções de apoio a Portugal. São estas as convocadas!

Partilhar
Shawn Mendes: Instagram Oficial Shawn Mendes Restantes imagens: YouTube
Redação
15 junho 2021, 07:00
Convocámos a música para formar uma corrente de energia de apoio à seleção portuguesa. Esta é a nossa seleção. Vamos!

 

A bola continua a rolar no Euro2020 e Portugal entrou em campo para ganhar! No primeiro jogo, a equipa das quinas derrotou a Hungria por 3-0, com dois golos de Cristiano Ronaldo e um de Raphael Guerreiro. O próximo jogo da seleção portuguesa é no sábado, dia 19 de junho, frente à Alemanha. As nossas vozes de apoio tem de continuar erguidas. Foi por isso que selecionámos onze temas icónicos de apoio à seleção. Entre temas oficiais, não oficiais, mais antigos ou mais modernaços, eis os convocados:


Euro2020, Vamos com Tudo!

 

'Vamos Com Tudo' - David Carreira 

É a canção oficial de apoio da seleção para o Euro2020. 'Vamos Com Tudo'  já entrou em campo. Vamos com tudo, pois! Vamos com o título, com genica, com 26 bons rapazes, 52 pernas, com os olhos postos na taça e até com o apoio dos nossos países irmãos. É que David Carreira, autor, produtor e intérprete do tema, quis alargar a rede de apoio a Portugal às comunidades lusófonas. As cantoras brasileiras Giulia Be e Ludmilla e o angolano Preto Show foram os escolhidos para representar a lusofonia e dar força extra à seleção deste ano. "Ter a oportunidade de escrever, compor e produzir o hino oficial da seleção é um sonho. Jogo futebol desde que me lembro de ser gente. Parei de jogar profissionalmente, devido a uma lesão. O meu coração respira futebol, ainda para mais com a seleção do país do meu coração. Sou orgulhosamente português e por isso mesmo quis alargar esta música de apoio a outros países de língua portuguesa. Unir toda a lusofonia foi impossível, daí os meus convites terem recaído em Angola e Brasil. Acho que o resultado final está incrível. Gostava que todos aprendessem a letra e, quem sabe, a coreografia", disse David Carreira sobre a canção que entra em campo neste campeonato. Vamos com tudo? Siiimmm!
 



E vamos com as velhas glórias, claro. Sempre.


'A Minha Casinha' - Xutos & Pontapés 

É bom que afine a garganta porque nesta viagem ao passado vamos dar o pontapé de saída "a abrir", como se costuma dizer. 'A Minha Casinha' é a canção escolhida para grande capitã da nossa seleção de músicas. A canção conseguiu a faixa de capitã não apenas pelo mérito, carisma e energia mas também pela antiguidade. Nota histórica: a versão original remonta a 1943, quando a atriz Milú a cantou no filme "O Costa do Castelo". Embora a original seja um mimo clássico digno de nota, a versão rockeira dos Xutos & Pontapés (de 1988) é a que importa para esta convocatória. É certo que, antes de 2016, a seleção portuguesa já se tinha apropriado da "música da casinha", mas, há cinco anos - nesse maravilhoso ano bordado a ouro - a seleção nacional cantou-a com o título de campeã e a cobiçada taça nas mãos. Foi um momento histórico e também por isso merece o cume do pódio. Um breve contexto, embora talvez não precise: 2016 foi o ano que deu o título de campeão europeu a Portugal quando o onze das quinas derrotou a França na final no Stade de France, no norte de Paris. O remate furioso de Éder, já no período do prolongamento, ditou a glória lusa e parece que o tema 'A Minha Casinha' deu sorte e balanço para Portugal meter a bola na baliza adversária. É que a canção dos nossos Xutos embalou o público no grande jogo da final - lá na casinha deles - e nós conseguimos resgatar um vídeo com o momento. Que categoria! 
 


Um jogo, uma vitória e um voo rumo a Portugal depois, 'A Minha Casinha' voltou a ser ouvida na chegada da vitoriosa equipa portuguesa a Lisboa. Até o capitão Cristiano Ronaldo, um dos melhores nos pontapés e homem que não perde uma oportunidade para cantarolar Xutos, aproveitou a ocasião para brilhar no refrão. E que bonito que foi ouvir um clássico do rock português a sair das colunas "comunitárias" da festarola, enquanto os jogadores percorriam a cidade, engolidos por um oceano de gente a aplaudi-los. Não há palavras para descrever a festa da vitória de Portugal no campeonato europeu de futebol. Ainda bem que alguém gravou:
 

 

'Bamos Lá Cambada' - José Estebes (Herman José)

Ainda não temos direito a bailaricos populares, por imposição da pandemia, mas temos Portugal a jogar à bola. Menos mal. Se tudo correr bem, teremos motivos para dançar nas varandas ou em cima do sofá. 'Bamos Lá Cambada', cantada por José Estebes (personagem de Herman José), funde o melhor dos dois mundos. Esta cantiga de apoio à seleção tem a força e a convicção necessárias para dar balanço a uma equipa de futebol, mas também tem a leveza e a graça das marchas populares que tanta falta nos fazem por estes dias de junho. Sim, temos saudades da folia popular, mas foquemo-nos agora no futebol. A letra de 'Bamos Lá Cambada', que Carlos Paião escreveu em meados dos anos oitenta, assenta bem a qualquer onze português. Serviu, serve e servirá as diferentes gerações, desde que estejamos a falar da equipa que anda de quinas ao peito. Para abrilhantar a marcha, José Estebes recrutou uma série de estrelas como reforços. À voz e ao sotaque nortenho do popular Estebes, juntaram-se as vozes de Alexandra, Luís Represas, Carlos Paião e Dany Silva. 'Bamos Lá Cambada' embalou bem a seleção portuguesa para o Mundial de 1986, que decorreu no México, mas a equipa lusa começou a perder a pedalada na fase de grupos e acabou por ser derrotada pela seleção marroquina. 
 


'Força' - Nelly Furtado 

'Força' foi o hino do Euro2004 e não exclusivamente a canção oficial de Portugal, mas, tendo em conta que a competição europeia foi chez nous (cá em casa), faz absoluto sentido convocar esta energética declaração de amor às cores da bandeira portuguesa. Este amor, este amor é tão grande e tão forte, cantava a Nelly no inesquecível ano de 2004. É incrível como, ainda hoje, o sotaque adocicado da cantora luso-descendente não nos sai da cabeça, sobretudo quando canta: como uma força, como uma força que ninguém pode parar. Força! Força! Caso tenha recalcado na memória alguns factos desse jogo, o que é perfeitamente compreensível, podemos lembrar que a final do campeonato de 2004 foi disputada entre Portugal e a Grécia no Estádio da Luz, em Lisboa. O golo de cabeça do grego Angelos Charisteas, o grande vilão da partida, roubou-nos a vitória e deixou-nos à entrada do céu, mas do lado de fora. (emoji triste) Valeu-nos a força da Nelly para recuperar do trauma e seguir em frente. Seguimos cheios de apetite pelo título que conquistámos, pela primeira vez, em 2016. Que venha a segunda dose. E que venha bem servida na taça que já conhecemos. É que ainda não estamos saciados.
 



'Tudo o que te Dou - Somos Portugal' - Pedro Abrunhosa

(O que nos deu foi sorte!) A canção de Pedro Abrunhosa entrou em campo para apoiar a seleção nacional em 2016, o tal ano dourado para a equipa das quinas. A seleção portuguesa e o pé do Éder deram-nos dias de glória. Pedro Abrunhosa pegou na balada de 1994 e fez uns ajustes na letra para que o romance a dois passasse a ser uma história de poliamor a envolver milhões. E, ainda por cima, com um final feliz! Frases como: somos mais fortes/coragem, ambição/voamos mais alto/o meu nome é seleção encaixaram bem na voz profunda do músico portuense mas ficaram ainda melhor nas vozes do coro composto por 11 milhões de portugueses. Até sugerimos um update na letra: somos mais fortes/coragem, ambição/voamos mais alto/o meu nome ainda é... Campeão!. Tecnicamente, isto é verdade. Portugal ainda segura o título e nós torcemos, com a mão ao peito e as vozes afinadas, para que não o largue tão cedo.
 


'I Gotta a Feeling' - Black Eyed Peas 

Estávamos na fase de preparação para o Mundial de África do Sul, campeonato disputado em 2010. Foi também a competição das vuvuzelas, lembra-se? Numa entrevista à TSF, Carlos Queiroz, o selecionador nacional da época, contou que 'I Gotta a Feeling', dos norte-americanos Black Eyed Peas, era a canção que se ouvia nos balneários para motivar os jogadores antes dos jogos. Da confissão de balneário à utilização da música na campanha do Banco Espírito Santo, o principal patrocinador da seleção das quinas na época, foi um pulo. 'I Gotta a Feeling' apropriou-se das vozes lusas para a ocasião. A energia da canção incendiou a festa do futebol português e até os Black Eyed Peas souberam que 'I Gotta a Feeling' estava a animar o espírito lusitano e a encher de genica o onze de Queiroz. A banda norte-americana enviou um vídeo com uma mensagem de apoio a Portugal e atuou ao vivo no Estádio do Jamor num concerto de apoio à seleção portuguesa.
 


'Menos Ais' - Vários Artistas

Voltamos a 2004. O tema 'Menos Ais', canção de uma campanha publicitária da Galp, colou-se de tal forma ao entusiasmo dos portugueses que acabou por se transformar numa espécie de hino popular de apoio à seleção portuguesa para esse ano. A canção, que de certa forma dá um ralhete aos jogadores e pede o fim do tradicional queixume 'tuga', foi composta por Manuel Faria e Nuno Tempero. A letra saiu das cabeças de Nuno Jerónimo e Pedro Bidarra. Ora, se a memória não nos falha, era qualquer coisa deste género: O conceito é muito simples: não desistir/Mas será que é esta atitude que acabamos de pedir?/É chato agora, acreditem no que digo:nós jogamos em casa e contamos com o Figo, o Rui Costa, o Deco, o Simão e o Pauleta/Razões para querermos mais que um lugar que não comprometa/Será de mais pedir a taça?/Nada que um adepto com orgulho não faça/Bonito, bonito, é dar o litro/E não pôr culpas no gajo do apito/Vá lá gritar noventa minutos, cento e vinte, o que for do princípio ao fim, por favor
 



'In My Blood' - Shawn Mendes 

‘In My Blood’ é, como quem diz em português, corre-me pelo sangue. E bem sabemos que o sangue português corre nas veias de Shawn Mendes, o luso-canadiano que deu voz ao tema oficial da seleção nacional em 2018, ano que levou o campeonato mundial de futebol à Rússia. Shawn Mendes pegou o tema 'In My Blood', que editou com o disco homónimo nesse ano, e adaptou-o à gíria de motivação futebolística. O jovem músico incluiu frases em português como: Eu vou acreditar! Que vamos conseguir, que vamos conquistar. Nós somos Portugal. Uma só voz e um coração!  A intenção foi boa, mas não conseguimos. A seleção portuguesa de futebol terminou o Mundial de 2018 em 13.º lugar. 
 

 

'A Seleção de Todos Nós' - Vários Artistas 

1984. Foi o ano de regresso da seleção nacional ao campeonato europeu, depois de uma ausência prolongada das grandes competições que durou quase duas décadas. França foi o país que acolheu o campeonato e o país que o "limpou" ao derrotar a Espanha na final. Portugal ainda sonhou com o título e com um regresso histórico aos relvados da honrosa competição, mas não foi além da meia-final. A seleção portuguesa perdeu frente aos franceses, apesar da proeza dupla de Jordão que conseguiu enfiar duas bolas na baliza do "inimigo". A canção oficial desse ano - 'A Seleção de Todos Nós' - foi a primeira canção oficial de apoio à equipa das quinas. António Pinho foi o autor da letra. Tozé Brito fez a música. José Cid e Alexandra estão entre os artistas que a cantaram.

'São Sete Voltas Pr'á Muralha Cair' - Tiago Guillul (FlorCaveira)

A intenção inicial pode até nem ter sido a de servir de hino de apoio à equipa que representa Portugal nas lides futebolísticas fora de portas, mas 'São Sete Voltas Pr'a Muralha Cair' caiu no goto da opinião popular. Tanto que até houve um movimento no Facebook que a queria como canção oficial da seleção que estava de partida para o Mundial de África do Sul. "Para todos aqueles que gostariam de celebrar os golos de Portugal em português, com um tema de um autor português. Celebrar os golos de Portugal a gritar 'eu tenho um sentimento' [dica para os Black Eyed Peas] não tem piada. Esta sim devia ser a música de selecção!", lia-se no texto do 'Movimento Sete Voltas no Mundial'. O tema, de autoria do músico Tiago Guillul, saiu da caverna criativa da editora independente FlorCaveira. Samuel Úria, Jorge Cruz e Joaquim Albergaria juntaram-se a Tiago Guillul na cantoria.

 


 

'Vai Portugal' - Kika 

A jovem cantora Kika, na altura com apenas 17 anos, deu voz e juventude à canção oficial de 2014, ano do Mundial de Futebol que foi disputado no Brasil. A produção de 'Vai Portugal' ficou nas mãos do conhecido produtor RedOne, homem que já trabalhou com nomes como Lady Gaga, U2, Usher, One Direction, Backstreet Boys, Shakira ou Enrique Iglesias. Portugal, nesse ano sob a orientação de Paulo Bento, foi à luta no outro lado do Atlântico mas... não foi além da fase de grupos. A implacável Alemanha foi seleção vencedora.  
 

 







 

 

 

 

Partilhar