Ouça a M80, faça o download da App.
Gonçalo Palma
09 junho 2022, 07:00
Partilhar

"Laranjas Sangrentas" a partir de hoje no Cinema Ideal

Partilhar
DR (cortesia This Is Ground Control)
Gonçalo Palma
09 junho 2022, 07:00
Filme francês foi distinguido no Motelx com o Prémio do Público.

O filme francês Laranjas Sangrentas, realizado por Jean-Christophe Meurisse, está em exibição no Cinema Ideal, em Lisboa, a partir desta quinta-feira. A longa-metragem venceu o Prémio do Público da última edição do Motelx, em 2021, e é sob o arco deste festival de terror de Lisboa que é exibido este filme no Ideal.

 

Aparentemente, não há nada de pesado na apresentação e no trailer desta suposta comédia. Mas sendo um filme premiado no Motelx, há motivos para o espectador estar desconfiado em relação a "Laranjas Sagrentas". O diretor do Motelx, João Monteiro, avisa que sim, é razão para estar desconfiado. "Um dos grandes problemas dos filmes de terror é quando sobes demasiado as expetativas e as pessoas estão à espera de algo que depois não corresponde. A única coisa que posso dizer é que o filme tem duas partes meio-antagónicas, mas que têm algo a ver tematicamente. O filme estreou mundialmente nas sessões da meia-noite do Festival de Cannes. No Motelx, foi exibido no primeiro dia e ganhou o Prémio do Público. Durante o festival inteiro, não houve outro filme que tivesse conseguido derrubar do top o Laranjas Sangrentas". 

E porque será que o público do festival Motelx terá gostado tanto deste filme? "Eu acho que tem a ver com esse elemento de surpresa e de subversão do tema. O realizador não toma partido em relação à sociedade estabelecida ou às novas modas da cancel culture. Ele tenta pôr o dedo na ferida e provocar. Nesse sentido, merece que no final o público vá beber um copo para discutir a sessão. É raro um filme permitir esse tipo de reflexão posterior. Vai estrear no Cinema Ideal, o que é ótimo porque fica mesmo ao lado do Bairro Alto”.

 

Para João Monteiro, Laranjas Sangrentas "é um filme que começa por ser uma sátira à sociedade francesa e que evidentemente é transversal a todas as sociedades europeias, e questiona as relações com a política, o papel dos reformados e dos jovens, as novas sensibilidades, e depois faz uma coisa que não é evidentemente original - já foi feito antes - e a meio dá uma grande curva e transforma-se numa coisa completamente diferente. A única coisa que posso dizer em jeito de aviso é que na primeira parte do filme vão estranhar se se trata realmente de um filme de terror”.   

 

Filmes tão diferentes como o sul-coreano "Parasitas" (premiado com o Óscar de Melhor Filme) ou o norte-americano "Selvagem e Perigosa" (de Jonathan Demme) registam uma metamorfose, dividindo as longas-metragens em duas metades completamente distintas: a primeira metade mais cómica, a segunda metade drasticamente mais pesada. Mas "essa mudança no Laranjas Sangrentas é anunciada. Essas referências de que falaste são boas e o cinema asiático tem muito disso. O que é mau é quando já sabes como o filme vai acabar. Há pessoas que gostam disso para se sentirem seguras. Para mim, enquanto espectador de cinema de terror, procuro essa surpresa, de me tirarem o tapete debaixo dos pés". 

 

A próxima edição do Motelx decorre entre os dias 6 e 12 de setembro, nas salas do São Jorge, em Lisboa. As novidades do cartaz vão ser reveladas no próximo mês.  

Partilhar