U2: 50 canções para 40 anos de discos (do 20º ao 11º)

Amanhã faz 40 anos que foi lançado o primeiro disco da banda, o EP "Three".

Celebra-se os 40 anos sobre o arranque da discografia dos U2, a ser assinalada amanhã, a 22 de setembro, quando em 1979 foi lançado o primeiro disco do quarteto irlandês, o EP "Three".

A contagem das 50 melhores canções do universo dos U2 já vai no penúltimo artigo, do 20º ao 11º. A escolha é evidentemente subjetiva e sublinha o ecletismo da banda irlandesa.


20º 'Beautiful Day' > do álbum de 2000, "All That You Can't Leave Behind"
Depois de muitos anos de experimentação eletrónica nos anos 90, os U2 tinham saudades de voltar a ouvir a bateria de Larry Mullen Jr. E descobriram nesta canção o melhor postal para o regresso dos U2 ao som de garagem dos seus primeiros anos. 'Beautiful Day' é talvez o maior hino dos U2 dos 00s. É um ponto alto ao vivo, de tal maneira que nunca mais falhou no alinhamento dos concertos dos U2 até hoje.


19º 'The Unforgettable Fire' > do álbum de 1984, "The Unforgettable Fire" 
É das músicas mais diferentes dos U2 por ser uma das canções onde menos se nota a guitarra de The Edge. E é das mais melancólicas, por causa da envolvência atmosférica, vinda dos sintetizadores. É o primeiro álbum produzido por Brian Eno. O seu dedo nota-se nesta canção.


18º 'Miami' > do álbum de 1997, Pop
Bono canta bem, mas mal sabíamos que berrava. É o que faz no final irado de 'Miami', um olhar mordaz sobre a sua experiência de rua na cidade da Florida, um dos locais de gravação de "Pop". 'Miami' é a música mais arrojada deste álbum.


 
17º 'The Electric Co.' > do álbum de 1980, "Boy"
No Festival de Vilar de Mouros, o público presente impressionou-se não só com a energia contagiante de uma banda que então desconheciam (ou mal conheciam), mas também com a bravura do vocalista Bono, que subiu um pilar de palco altíssimo. Na verdade, o cantor reguila costumava fazer estes números de acrobata durante a parte instrumental de 'The Electric Co.', um dos temas mais elétricos e fragmentados dos U2. Nestes primeiros anos, foi um tema muito importante para o grupo. 

 

16º 'Acrobat' > do álbum de 1991, "Achtung Baby"
Por falar em acrobata, 'Acrobat' é um trabalho de perícia de The Edge. Perde-se a conta no cancioneiro dos U2 às dívidas de gratidão aos seus trabalhos na guitarra elétrica, mas 'Acrobat' é sem dúvida um dos mais magistrais. O resto da banda vai muito bem nesta longa viagem sensorial.

 

15º 'Exit' > do álbum de 1987, "The Joshua Tree"
Quando há uma química forte de banda entre quatro músicos, as jams são um viveiro para novas canções. 'Exit' nasceu assim numa jam e tornou-se num dos melhores crescendos dramáticos da banda, bem sentido no documentário ao vivo "Ratle and Hum" (de 1988).

 

14º 'New Year's Day' > do álbum de 1983, "War"
Olá, mundo! Este são os U2. Esta canção é o grande furo internacional dos U2. O ativismo político de Bono já está bem presente, com uma letra inspirada no movimento de resistência sindical polaco da Solidarnosc, liderado pelo eletricista Lech Walesa. Mas 'New Year's Day' é também uma canção de amor. Se The Edge brilha nos teclados, Adam Clayton destaca-se mais do que normal no baixo. 


13º Bono & Gavin Friday - 'In the Name of the Father' > filme de 1993, "In the Name of the Father" 
Bono vive a sua fase mais criativa e transgressora. Entre o álbum dos U2 "Zooropa" e o projeto experimental Passengers, o cantor envolve-se nesta banda sonora, com o seu amigo de longa data Gavin Friday. A música abre o filme do cineasta irlandês Jim Sheridan como uma bofetada, um dueto perturbador entre o cantor Bono e o falante Gavin Friday, cavalgado por uma percurssão guerrilheira.


12º 'Numb' > do álbum de 1993, "Zooropa"
É o single mais fora da caixa da discografia dos U2, a que não será alheia a primazia vocal dada ao guitarrista The Edge. Para quem se interroga porque não é The Edge mais vezes o cantor principal, basta ouvirem o falsete de Bono a meio de 'Numb' para percebermos quem deve ser o vocalista. O vídeo-paródia, onde The Edge recebe as mais diversas torturas, termina com selfies de fãs (?) com o guitarrista, à antiga, com máquinas fotográficas e não smartphones.

 

11º 'All I Want Is You' > do álbum de 1988, "Rattle and Hum"
A balada tocante fecha o álbum "Rattle and Hum". O vídeo é realizado por Meiert Avis, o autor de quase todos os clipes da banda irlandesa ao longo dos anos 80, e cita a influência do clássico cinematográfico dos anos 30 Tod Browning, "Freaks", sobre artistas de circo de características invulgares (anões, artistas sem pernas). Os U2 ainda não se esqueceram desta canção nos concertos.