Agência Lusa
22 abril 2021, 16:43
Partilhar

25 Abril: Eanes será o único ex-Presidente na sessão da AR, Cavaco volta a estar ausente

DR
A Assembleia da República vai repetir na sessão solene comemorativa do 47.º aniversário do 25 de Abril de 1974 o modelo restritivo de presenças que foi adotado no passado por causa da pandemia.

Ramalho Eanes será o único antigo Presidente da República a marcar presença na cerimónia comemorativa dos 47 anos do 25 de Abril, no domingo, no parlamento, e Cavaco Silva vai faltar pelo segundo ano consecutivo.

Fonte do gabinete de Eanes afirmou à Lusa que o ex-chefe de Estado estará na cerimónia acompanhado pela mulher, Manuela Eanes.

Já Jorge Sampaio, de acordo com o seu gabinete, “não estará presente por motivos de saúde”.

Fonte oficial do gabinete de Cavaco Silva confirmou à agência Lusa que o antigo Presidente da República não irá à sessão solene comemorativa do 47.º aniversário do 25 de Abril por continuar “a respeitar as regras sanitárias devido à pandemia” e, portanto, tal como no ano passado, não estará presente na Assembleia da República no domingo.

Cavaco Silva, de acordo com a mesma fonte, já respondeu ao convite do parlamento, conforme noticiado esta manhã pelo Observador.

A Assembleia da República vai repetir na sessão solene comemorativa do 47.º aniversário do 25 de Abril de 1974 o modelo restritivo de presenças que foi adotado no passado por causa da epidemia de covid-19.

No ano passado, já em plena primeira vaga da covid-19 e com o país em estado de emergência, entre convidados, deputados e membros do Governo, estiveram presentes menos de 100 pessoas no hemiciclo.

A maioria dos partidos concordou em realizar a sessão adaptada às restrições da pandemia - CDS e Chega foram contra e PAN e Iniciativa Liberal preferiam outro formato de comemorações -, numa cerimónia que só por quatro vezes não aconteceu ao longo das últimas quatro décadas.

Em 25 de abril de 1974, um movimento de capitães derrubou a ditadura de 48 anos, de Marcelo Caetano, chefe do Governo, e Américo Tomás, Presidente da República, um golpe que se transformou numa revolução, a "Revolução dos Cravos".