Redação
02 junho 2021, 14:30
Partilhar

As mascotes do Europeu de Futebol

DR
Faça uma viagem pelas mascotes do Euro desde os anos 80 até 2021.

Apesar do Mundial de Futebol ter mascotes desde 1966 foi só nos anos 80 que começaram a aparecer as mascotes no Campeonato Europeu. A primeira mascote do Europeu de Futebol foi a da organizadora Itália no Euro de 1980. A mascote chamava-se Pinocchio (Pinóquio) e foi inspirada precisamente na história do personagem, que na altura inspirou um dos livros mais traduzidos do mundo. Uma das particularidades desta mascote era o nariz pintado das cores da bandeira italiana.

 

Em 1984 foi a vez da anfitriã França ter a sua mascote. Para os representar escolheram um galo, ao qual chamaram Peno, nome vindo de penálti, que tinha as cores da bandeira francesa. O galo parece ter dado sorte aos franceses que nesse ano ganharam a competição.

 

No Europeu de 1988, a Alemanha foi representada pelo coelho Berni, que se vestia sempre com as cores da bandeira alemã. O nome do coelho foi escolhido em honra da cidade de Berna, onde ficava o quartel general da UEFA. 

 

A mascote escolhida pela Suécia, em 1992, foi novamente um coelho. Rabbit (coelho em português) foi o nome escolhido para a mascote que se vestia com as cores da bandeira sueca. 

 

Em 1996 foi a vez da Inglaterra escolher a sua mascote. Os ingleses escolheram o leão Goaliath para os representar. O emblema da Inglaterra tem precisamente três leões e foi essa a razão para a escolha deste animal para o Europeu de Futebol.

 

No Euro de 2000, as anfitriãs Holanda e Bélgica escolheram um leão-diabo chamado Benelucky para os representar. O leão é o emblema nacional de futebol da Holanda e o diabo é em honra ao apelido da seleção belga (Diabos Vermelhos). O nome escolhido para a mascote era um trocadilho com o nome da união entre Bélgica, Países Baixos e Luxemburgo (Benelux). Além disso, o nome é também uma junção da palavra latina “bene” (boa) e a inglesa “luck” (sorte). O cabelo da mascote era uma combinação das bandeiras de ambos os países. 


Em 2004, Portugal escolheu para sua mascote uma criança vestida com o equipamento nacional, a quem deram o nome de Kinas, que foi a primeira mascote do Europeu de Futebol que não era um animal. O nome da mascote fazia referência às quinas da bandeira portuguesa. O boneco foi desenhado pela Warner Brothers. A empresa projetou um miúdo com a camisola da seleção portuguesa e com o número «04» estampado na camisola. O Kinas foi apadrinhado na época por Eusébio, uma lenda do futebol português, por Gilberto Madail, presidente da Federação Portuguesa de Futebol, e por José Luís Arnaut, ministro-adjunto e do desporto.


O Euro de 2008 teve como anfitriões a Áustria e a Suíça. Os dois países escolheram os gémeos Trix e Flix como suas mascotes. Cada um deles representava um dos países organizadores. Estas mascotes destacaram-se por serem acompanhadas por uma banda sonora original. A música "Feel the Rush", de Shaggy, era sempre tocada quando as mascotes estavam presentes.

 


No Euro de 2012, a Polônia e a Ucrânia foram os países anfitriões. A ideia dos gémeos repetiu-se e Slavek e Slavko foram os nomes escolhidos para as mascotes destes dois países. Tanto os cabelos como os equipamentos estavam de acordo com as cores das bandeiras dos países anfitriões.


No Euro de 2016, depois de uma votação na internet, a mascote Super Victor foi escolhida para representar a França. O Super Victor tinha superpoderes futebolísticos e usava uma capa e umas chuteiras mágicas.

 

A mascote que irá representar o Euro 2020 é o "freestyler" Skillzy, que foi escolhido após participar num concurso de talentos na Europa. A história de Skillzy vai ser contada num filme de animação e numa banda desenhada. O filme de animação retrata a competição de talentos "Your Move". Esta competição tem como objetivo encontrar os jogadores mais talentosos de "freestylers", "street" e "panna" que farão parte da equipa de mascotes do EURO 2020. Cada uma das 12 cidades anfitriãs terá representantes de freestyle na equipa de mascotes, o que vai permitir que adeptos de toda a Europa tenham a oportunidade única de representar o seu país. Os 12 países que vão receber jogos da prova são: Azerbaijão, Dinamarca, Inglaterra, Alemanha, Hungria, Itália, Holanda, República da Irlanda, Roménia, Rússia, Escócia e Espanha.